Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

The book of stories

Um blogue que é o meu reflexo, e onde, as pequenas e grandes histórias têm lugar

The book of stories

Um blogue que é o meu reflexo, e onde, as pequenas e grandes histórias têm lugar

21.04.19

Hotel Imperial (parte 3)

Elisabete Pereira
  Passou algum tempo desde que Olivia e Lucas ficaram noivos, mas como ainda não tinham dinheiro suficiente para a cerimónia de casamento, resolveram aguardar mais um pouco, o casamento estava marcado para Janeiro de 1940, no dia do aniversario de Olivia, seria uma cerimónia bem simples, mas mesmo assim, eles pareciam felizes. Era a 31 de Agosto de 1939, quando Olivia veio ter comigo esbaforida, embora parecesse bastante animada: -Maria, preciso da tua ajuda! - vi que ela trazia algo (...)
04.04.19

Hotel Imperial (parte 2)

Elisabete Pereira
  Olivia fez carranca, quando voltei a recusar saír com ela, mas eu não lhe dei muita atenção, estava mais preocupada com outras coisas naquele momento. -Maria, como podes fazer isto comigo? -ela fez beicinho enquanto pegava no chapéu ao lado da cama- Eu pedi ao Lucas para trazer um amigo com ele... - E podem perfeitamente sair os três sem mim. - corto-lhe a palavra sem sequer olhar para ela, estou mais focada em coser um botão num casaco - Que eu saiba, não te pedi para fazeres (...)
21.03.19

Hotel Imperial (parte 1)

Elisabete Pereira
Os nossos passos ecoam no chão do hotel, Pierre, o director daquele espaço, alonga-se num monólogo apaixonado enquanto me faz uma visita guiada ao interior do edificio: -Este hotel foi fundado em 1919 por uma princesa russa que conseguiu fugir á fúria dos bolcheviques, a pobrezinha perdeu toda a familia e quase toda a fortuna, mas ainda assim conseguiu trazer consigo algumas jóias que depois de vendidas renderam ainda bastante dinheiro, e assim mandou erigir este magnifico edificio (...)
01.03.19

Encurralada numa teia de dor e sofrimento

Elisabete Pereira
  Ana tem 23 anos, terminou a licenciatura à pouco tempo, e rapidamente se dispôs a procurar emprego na sua área, mas infelizmente não encontrou nada, por isso, optou por alargar a procura acabando por encontrar emprego num escritório numa área completamente diferente daquela que tinha estudado. A maioria dos trabalhadores do escrtório, era essencialmente masculina, mas Ana não se importou, até preferia, porque as mulheres são mais complicadas e intriguistas. Facilmente (...)
25.01.19

A noiva de papel (parte5, última)

Elisabete Pereira
  As horas passavam, mas John Morgan não manifestava vontade em colaborar, o interrogatório ia longo, e apesar das provas, John negava veementemente o seu envolvimento na morte da esposa. - Oiça, eu não tenho nada a ver com isto, é tudo um grande equivoco. - Não me parece senhor Morgan. - o inspector respondeu impacientemente - Quando mais cedo admitir a culpa, mais cedo arrumamos o assunto. - Não há nada a admitir. - John cruzou os braços - Estou inocente. - Pois bem, já que (...)
15.12.18

A noiva de papel (parte 4)

Elisabete Pereira
A notícia chegou três dias depois do desaparecimento de Kate Morgan, uma mulher apareceu na mercearia da aldeia a perguntar onde ficava o posto de policia mais próximo, era uma mulher com cerca de 40 anos relativamente baixa e morena, mais tarde ela surgiu no pub perguntando a Patrick se havia um local onde ela poderia ficar durante uns dias. - Tem uma pequena hospedaria a dois quilómetros daqui. - respondeu Patrick solicito - Não é muito luxuoso , mas é um lugar simpático e barato.
01.12.18

A noiva de papel (parte 3)

Elisabete Pereira
  Passado pouco tempo, veio-se a descobrir que Higgins tinha razão, as ossadas pertenciam a um recém-nascido, no entanto não se sabia a quem pertencia, no entanto, em busca de novas pistas a mansão de white lake foi praticamente tomada pela policia: - Isto é ridículo! - John Morgan entregou o mandato de busca de volta para o policia claramente irritado - Temos obras para continuar, um projecto a fazer, o prejuizo... -Sr Morgan, lamento, mas há uma investigação a fazer. - o (...)
22.11.18

A noiva de papel (parte2)

Elisabete Pereira
Judy duvidou daquilo, provavelmente era só uma história inventada, como tantas outras, ninguém no seu perfeito juizo iria comprar aquela mansão. - Ouve lá, tens a certeza disso? – perguntou ela para Emily – Dificilmente alguém iria querer enterrar dinheiro naquele lugar, ainda por cima assombrado. - Juro que é verdade! – Emily ficou indignada – Sabes que a minha filha é amiga da agente imobiliaria que está encarregue de vender a casa, eu era incapaz de inventar o que quer (...)
13.11.18

A noiva de papel (parte 1)

Elisabete Pereira
  Os habitantes de Aubrey dizem que ainda se vê em noites de lua cheia, a vaguear pela mansão do lago, o fantasma de Hannah Lane, vestida de noiva, da mesma maneira que foi encontrada á 25 anos numa manhã de Inverno pela criada da Familia, o momento ainda é contado nos dias de hoje no pub da aldeia, Judy entrou esbaforida pelo pub "Trevo de ouro", seria ainda bem cedo, Patrick o dono do pub ainda estava a arrumar as cadeiras que estavam ainda em cima das mesas, quando ela lhe (...)
27.09.18

Conto "A metamorfose da água"

Elisabete Pereira
Há umas quantas luas, participei de um concurso literário, e como não ganhei, pensei em colocar o conto no blogue, e assim o fiz.   A metamorfose da água Quando me olho ao espelho vejo aquilo que os outros não vêm, a Alice que aparece no reflexo do espelho esconde um segredo. Até aos 12 anos eu tive uma vida miserável, vivia com a minha mãe, uma mulher abusiva e instável que me usava como meio de sustento. Andava-mos de terra em terra como nómadas, onde eu era obrigada a (...)