Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

The book of stories

The book of stories

Ter | 14.05.19

Há pessoas tão fofinhas...só que não

Elisabete Pereira

suit-673697_1920.jpg

 

Muitas vezes se diz, que as pessoas que povoam as redes sociais com suas pérolas de sabedoria, que apenas escrevem coisas que não sentem de facto na vida real...hum...quem trabalha com o público (lojas, cafés, restaurantes, supermercados e afins) vai discordar disto, porque muita dessas pessoas mostram a sua verdadeira face na vida real. O que acontece é que como muitas vezes mal falamos com o outro no dia-a-dia, apenas nos limitamos a um educado " Bom dia " (e muitas vezes nem isso), que se fica com a sensação de que as pessoas são haters apenas na internet, mas tal não é verdade, estas pessoas também o são na vida real (claro que quando se cruzam com alguem famoso que não gramam, na rua, obviamente que são extramente educadas e simpáticas, afinal a cobardia é imagem de marca desta fauna).

Quem trabalha com o público sabe que mais cedo ou mais tarde, será o caixote do lixo de alguém, e nessas alturas é preciso fazer um esforço épico para atender a "pessoa" com o melhor sorriso possível, enquanto interiormente se deseja que aquela pessoa tenha uma diarreia épica (e outras coisas piores).

Deixo aqui o exemplo de apenas duas personagens com quem por vezes tenho o "prazer" de conviver no dia a dia no trabalho.

 

O primeiro, foi um senhor que lá tinha estado minutos antes a comprar um frango, só que o frango ía sem molho, e por isso ele voltou lá para levar apenas o molho (temos ordens para não dar molho á parte, só no próprio frango), tentei explicar a situação, mas ele foi extremamente desagradável e disse que se não levasse o molho, que iria reclamar (escrever no livro de reclamações), como achei que não havia necessidade disso, lá lhe entreguei o bendito molho (que nem sequer é grande coisa), como se não bastasse, depois pediu para levar bebidas, e queria factura, quem estava á espera atrás dele é que não achou grande graça, mas pronto.

 

A segunda, foi uma senhora, neste caso eu apenas assisti inicialmente, vi a senhora a ficar para trás dos outros clientes, mas como eu estava ocupada, não dei muita importância, até que a minha colega a foi atender, a senhora rapidamente ficou indignada com os menu disponível e começou logo a ser bem desagradável com a minha colega, eu decidi intervir para acalmar a situação, mas a senhora continuou a ser desagradável, até que eu lhe disse que se ela quisessse podia mudar a guarnição do pedido, a senhora olhou para mim como se eu lhe tivesse escondido um grande segredo, mas lá aceitou. Enquanto fui á cozinha para pedir para alterar o pedido da cliente, a senhora continuou a ser desagradável com a minha colega e perguntou porque ela não usava luvas para retirar as guarnições (usamos tenazes e colheres para tal efeito e dificilmente tocamos nas guarnições com os dedos), a minha colega disse que era pelo facto da gerência não lhe ter entregue nenhumas. 

Não me interpretem mal, às vezes até acho graça a isto, é como se eu fosse a um espectáculo de stand up sem pagar, mas feito por pessoas que por vezes parecem ter um neurónio em curto-circuito.

2 comentários

Comentar post