Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

The book of stories

The book of stories

Qua | 10.04.19

A minha experiência num apartamento partilhado

Elisabete Pereira

eduard-militaru-98570-unsplash.jpgPor necessidades da vida, estive durante 6 meses num apartamento partilhado, não foi uma experiência de todo ruim, bem pelo contrário, mas se fosse hoje, optaria por um apartamento só para mim, ou então um quarto com casa de banho privada, e passo a explicar o porquê disso.

Mas antes, tenho a dizer que foi uma experiência importante na minha vida, pois foi a primeira vez que estive tanto tempo fora do ninho materno...ok, eu ia a casa dos meus pais uma vez por semana, mas mesmo assim foi uma situação em que eu estive por conta própria, o que já foi uma aventura...e nem foi para encontrar quarto, até porque existem plataformas online excelentes para isso, aliás, eu até tive muita sorte, pois encontrei um quarto excelente, a 5 minutos do trabalho e por um preço bem em conta...o problema foi tentar abrir a porta do apartamento pela primeira vez, tive de tocar à campainha, e uma das minhas "roommates" em pijama e ensonada abriu a porta, ela ainda me ensinou como se abria, mas como o meu foco é igual ao de um peixinho dourado, o meu cérebro apenas processou "blábláblá...blábláblá...", resultado, quando mais tarde fui levar as minhas coisas para o quarto, não consegui abrir a porta novamente, fiquei 20 minutos a dar voltas com a chave, mas nada. Tive de levar a minha tralha comigo para o trabalho, e rezar para que à noite alguém me conseguisse ajudar, felizmente isso acabou por acontecer, e a partir daí consegui atinar com o truque de abrir a porta.

De resto, não tive mais problemas, as minhas colegas de apartamento, tal como eu, eram bastante discretas, raramente nos cruzavamos, e quando acontecia, cumprimentavamos e cada uma seguia o seu caminho, as pessoas do prédio também eram bastante sossegadas e educadas, era tudo quase perfeito, quase, porque havia uma coisinha, que tirava essa perfeição, a casa de banho. Nem sequer falo das pilhas de embalagens de champôs e géis de banho das minhas "rommates" que ocupavam boa parte da banheira, o problema era a sujidade, mais especificamente, o sarro que se acumulava, e nenhuma se preocupava em limpar, volta e meia, e ia limpando aquilo, mas fui notando com o tempo que só eu me preocupava com isso, tanto que estive uns tempos sem estar no quarto e quando voltei, numa manhã em que o esquecimento me fez levar os óculos para a casa de banho, notei que a sanita, o lavatório, o bidê e a banheira tinham uma boa camada de sujidade, nessa mesma tarde fui limpar tudo. O resto das divisões, não sei se teriam o mesmo tratamento por parte delas, pois não usava a cozinha nem nada, só mesmo o quarto e a casa de banho, mas lembro de ver no corredor, uma grande bola de cotão num canto durante vários dias (alguém terá varrido o corredor e deixou o lixo num canto), até que me fartei de ver aquilo, e deitei aquela coisa ao lixo. Por isso é que hoje em dia, se precisar de procurar um quarto novamente, prefiro procurar um em que possa usar a casa de banho só para mim, pode ser picuinhas da minha parte,mas da minha higiene eu sei bem, quanto à dos outros...já não tenho tanta certeza.