Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

The book of stories

The book of stories

Sex | 21.09.18

A eterna insatisfação de se ser apenas quem se é

Elisabete Pereira

1536079237470.png

 

Se há algo de que tenho bastante orgulho é de as minhas raízes serem do mesmo concelho de António Variações(e do chefe Silva também, mas isso são outros quinhentos). Para mim é uma referência de alguém que superou muita coisa e que ainda hoje em dia, apesar de ter falecido á cerca de 34 anos, continua a ser lembrado, a sua música é de uma originalidade tal, que mesmo nos dias de hoje não há quem imite o género, há quem diga que ele era uma pessoa á frente do seu tempo e que mesmo agora continuaria a estar á frente do seu tempo, infelizmente o seu brilho durou pouco, mas mesmo assim deixou marcas na música portuguesa.

Eu ainda era muito nova quando comecei a ouvir as músicas dele através dos discos de vinil que o meu pai colocava na aparelhagem com gira discos (que é bem mais velha do que eu, e que ainda hoje funciona), lembro de o meu pai de dizer com orgulho de que ele era natural de Amares, mais precisamente da freguesia de Fiscal e facilmente percebi o porquê desse orgulho, afinal, o concelho onde vivo fica no interior do minho, imaginem como eram as coisas há uns 30-40 anos, nao havia o desenvolvimento que há hoje, claro que sei que António Variações emigrou para Amesterdão bem antes de ter alcançado o estrelato, até porque a vida por estas bandas era muito dura (o meu pai também acabou por sair daqui, com 14 anos aventurou-se na cidade do Porto), penso que o meu pai chegou a conhecer alguns dos familiares dele, na altura em que fazia o trajecto Porto-Amares durante as férias na sua famel zundapp em que praticamente percorria as festas e romarias do concelho nos finais dos anos 70 e inicios dos 80. Este texto vem a propósito de eu ter lido algures que o filme sobre a vida de António Variações estaria a ser rodado, e até me lembro de ter visto na rua alguns folhetos colados em postes para quem estivesse interessado em fazer figuração no filme ( secretamente disse uns palavrões para mim mesma por neste momento não estar desempregada, porque eu iria querer participar no filme, mas como estou a trabalhar...ora batatas ), segundo li, o filme deverá estrear lá para 2019, e tem como protagonistas Sergio Praia, Lucia Moniz e Victória Guerra.

Confesso que estou em pulgas para a estreia do filme que acredito que irá a ajudar a conhecer melhor a vida deste ícone da música Portuguesa.